Cinema

Crítica | Noite do Terror

Compartilhar

Noite do Terror é um filme de 1974 ambientado no feriado natalino dirigido por Bob Clark (Porkys e Uma História de Natal). Logo nas primeiras cenas aparecem as ações de um homem cujo os olhos são representados pela câmera. O sujeito ronda uma casa toda decorada para o natal, lar de uma fraternidade universitária feminina, até encontrar sua vítima.

Por mais que haja uma série de elementos do cinema slasher, a fórmula ainda não estava madura, os personagens do filme são em sua maioria bastante genéricos, exceção feita a Barb, uma moça desbocada e beberrona que mora na casa e é interpretada pela atriz mais conhecida do filme, Margot Kidder, a futura Lois Lane de Superman: O Filme.

O modo como o diretor escolhe amedrontar o público e os personagens do filme é bastante inteligente. O vilão liga para a fraternidade e conversa com a protagonista Jess (Olivia Hussey), que fica apreensiva ao ouvir os ruídos violentos e estranhos que ele faz, variando entre o amedrontamento e o assédio. Tais sons parecem representações do mal que ocorre no mundo, e claro, barulhos obscenos de um maníaco sexual. O assassino claramente tem um prazer libidinoso envolvendo a morte das mulheres, seu deleite mora em vê-las sangrando e assistir seu sofrimento enquanto a vida se esvai, como um voyeur da morte, aspecto que anos mais tarde se tornaria até um clichê de filmes sobre psicopatas.

Por  mais que o filme não seja tão inspirado e bem resolvido em sua exploração violenta, é inegável que seus temas são pesados e maximizadas pela presença de um assassino invisível, ainda assim ele não é tão violento e há pouco gore, e mesmo quando aparecem cadáveres não há uma grande valorização destes. O pioneirismo de Clark é inegável e influenciaria bastante a estética dos filmes baratos de assassinos seriais, junto de Psicose e Massacre da Serra Elétrica como os expoentes da gênese do subgênero slasher.

Filipe Pereira

Filipe Augusto Pereira é Jornalista, Escritor, quer salvar o mundo, desde que não demore muito e é apaixonado por Cinema, Literatura, Mulheres Rock and Roll e Psicanalise, não necessariamente nessa ordem.
Veja mais posts do Filipe
Compartilhar